• Nova Amargosa FM

A cada mil crianças nascidas na Bahia, 15,4 morrem antes de completar 1 ano


A taxa de mortalidade infantil na Bahia, em 2019, foi estimada em 15,4 por mil, ou seja, para cada mil crianças nascidas vivas, 15,4 morreriam antes de completar 1 ano de vida. Os dados são da pesquisa Tábuas de Mortalidade 2019, divulgadas nesta quinta-feira, 26, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).


A probabilidade de um bebê morrer antes de fazer 1 ano no estado (15,4 por mil) manteve-se bem superior à do Brasil (11,9 por mil). O indicador mostra, entretanto, uma tendência progressiva de redução, já que em 2018, era de 16,0 por mil.

Mesmo com a queda, a Bahia segue tendo o 9º índice mais elevado do país. Em 2019, a menor taxa de mortalidade infantil continuou sendo a do Espírito Santo (7,8 óbitos para cada mil nascidos vivos), e a maior, do Amapá (22,6 por mil).


Dos estados do Nordeste, apenas Pernambuco, com uma taxa de 11,4 mortes por mil nascidos vivos, ficou ligeiramente abaixo da média nacional, todos os demais apresentaram taxas maiores que a do Brasil (11,9 por mil). Dentre os nove estados da região, a Bahia tem a quarta maior estimativa de mortalidade infantil, menor apenas que as verificadas em Maranhão (18,6 mortes por mil nascidos vivos), Piauí (17,5 por mil) e Alagoas (16,4 por mil).

A mortalidade das crianças menores de 1 ano é um importante indicador das condições socioeconômicas de uma região. Mesmo estados com taxas baixas para o padrão brasileiro, como Espírito Santo, Paraná e Santa Catarina, têm indicadores muito distantes dos encontrados nos países mais desenvolvidos do mundo.

Japão e Finlândia, por exemplo, apresentam taxas de 1,8 e 1,7 morte por mil nascidos vivos, respectivamente (período de 2015 a 2020). Entre os países que compõem os BRICS, para o mesmo período, a China tem uma mortalidade infantil estimada em 9,9 por mil nascidos vivos; a Rússia, de 5,8 por mil; a Índia, de 32,0 por mil; e a África do Sul, de 27,2 por mil.

14 visualizações0 comentário