• Nova Amargosa FM

Operações da PF na BA apuram fraudes no seguro-desemprego e em empréstimos junto à Caixa Econômica


Duas operações da Polícia Federal foram deflagradas na manhã desta quarta-feira (4) em Vitória da Conquista, sudoeste da Bahia, e Ilhéus, sul do estado, com a finalidade de combater fraudes na obtenção do benefício do seguro-desemprego e em empréstimos junto à Caixa Econômica Federal. Juntas, as fraudes totalizam quase R$ 300 mil de prejuízo.


Ambas as operações estão sendo deflagradas de forma simultânea, já que, segundo a PF, alguns investigados são suspeitos de participação nos dois esquemas criminosos.

No total, estão sendo cumpridos seis mandados de prisão temporária e 17 mandados de busca, todos em Jequié, sudoeste da Bahia, além de medidas cautelares diversas e do bloqueio de R$ 94 mil em bens dos investigados. As ordens judiciais foram expedidas pelas Varas da Justiça Federal de Jequié e de Ilhéus.


Em Vitória da Conquista, foi deflagrada a Operação Demissio, que apura as fraudes no seguro-desemprego.


De acordo com a PF, o grupo investigado simulava vínculos empregatícios fictícios mediante inserção de dados falsos nos sistemas públicos (CAGED e CNIS), bem como inseria anotações falsas nas Carteiras de Trabalho e Previdência Social, com o objetivo de simular o preenchimento dos requisitos para requerimento e saque do benefício de seguro-desemprego.


As investigações apontaram que o grupo está dividido em três núcleos:

  • mentores: pessoas responsáveis pela idealização, planejamento e coordenação das fraudes

  • apoio técnico: pessoas com conhecimento especializado que munia os investigados com informações necessárias para realização das fraudes

  • sacadores: pessoas que figuram como sócios das empresas fictícias ou como empregados dos vínculos empregatícios falsos, e que realizam os saques.

Ainda de acordo com a PF, as fraudes investigadas ocorreram de maneira reiterada entre 2014 e 2019, totalizando, até o momento, mais de R$ 94 mil em prejuízos.

Já a Operação Persona Ficta, realizada em Ilhéus, apura prática de estelionatos por meio de uso de documentos falsos para contratação de empréstimos junto à Caixa Econômica Federal.


A PF destacou que os empréstimos eram realizados em diversas agências da CEF, especialmente nas cidades de Ilhéus e Itabuna, sendo que os investigados usavam documentos de identidade falsos, criados com sua própria fotografia, ludibriando a empresa pública federal, “prática similar à de um ‘dublê'”.

Os empréstimos fraudulentos identificados ao longo da investigação alcançam mais de R$ 200 mil.


Os crimes investigados são os previstos nos artigos 171, § 3º, do Código Penal (estelionato majorado) e 288 do Código Penal (associação criminosa). (G1)

21 visualizações0 comentário